22.1.18

Olá!

Desde a última postagem, fui à casa de minha mãe e comi como se não tivesse amanhã. fuii na quinta-feira e voltei no domingo. A minha mestruação estava programada pelo aplicativo que uso de vir na quarta-feira, mas ela começou a viu no domingo à noite. Como estava comendo muito errado neste mês, me lasquei bonito. Cólica e enxaqueca. Sofri. Na segunda e terça fiquei deitada e não resisti e nos dois dias comi barra de chocolate. PORÉM , na quarta estava um pouco melhor(embora a enxaqueca não ia embora) e resolvi mudar a alimentação. Ao acordar tomei água quente com limão, no almoço eu fiz um bolinho mara de semente de girassol e trigo sarraceno. Uma coisa muito desagradável que está acontecedo é muito suor e odor corporal muito desagradável. Muito mesmo. E o Andrew tem o nariz decachorro, ou seja sente tudo.  Pesquisando feito louca na internet eu vi alguém falando do coentro. Então na quinta comecei a tomar o coentro. Não é que estou começando a sentir a diferença! Incrível! Eu todas as noites estou tomando uma vitamina com bananas, coentro, salsa, gengibre e canela. Uma bomba anti-inflamatória. Sempre que cruzava as pernas ao levantar eu sentia as articulações do quadril enrijecidas, mas com esta vitamina eu não sinto mais isto. Tomarei todos os dias. 
Achei também na internet uma receita de wrap de trigo sarraceno. Sempre tive dificuldade em achar uma receita que fosse fácil e que não grudasse na panela. O mais próximo que eu achei foi de grão de bico, mas leva muito tempo para fazer, se tornou inviável. Mas a de trigo sarraceno é perfeita!!
Resumindo: melhorando a alimentação. Mas a parte espiritual e todo o resto precisa ser trabalhado!






9.1.18

Estou com compulsão alimentar!

Putz!!

PS: A pintura de hoje(que ainda não está terminada) e a de ontem são reproduções em aquarela de um artista chamado Bao Phum. acompanho o trabalho dele e reproduzo o seu trabalho para aprender a técnica de aquarela. Estou com uma meta de fazer uma pintura por dia. Além de me ajudar na concentração, me relaxa desenhar e pintar.

8.1.18



Bom dia!

Hoje eu estou me sentindo muito insegura e com ansiedade. Não sei se o café de hoje alterou ou amplificou, embora saiba que tenho que eliminá-lo da minha vida. É  difícil definir em palavras, mas é uma sensação de que não sou nem serei boa em nada. 
Sempre me senti assim, a questão é que não adianta reclamar destas sensações. Elas sempre me seguirão. 
Sei o que tenho que fazer. 

Beijos.




3.1.18

            Nunca contei aqui, eu sou uma pessoa ex-tre-ma-men-te ansiosa, insegura, depressiva e que sofre de pensamentos catastróficos. 

             As lembranças que tenho da minha infância são de sofrimento pela minha incapacidade de lidar com o mundo, meus medos e inseguranças. Sempre  sensível que não sabia se impor, a bobona a "retardada", como dizia a minha tia. Sim, ela sempre me chamava de retardada. Até os dez anos de idade eu morava em frente a esta nada amável dia. Ela tem uma filha que tem a mesma idade que eu e andávamos juntas o tempo todo, parecíamos gêmeas. Tirando o fato dela ser cabeçuda e eu testuda...
Mas a minha prima, diferentemente de mim era esperta, inteligente e sabia se defender. Eu nunca conseguia me defender. Nunca. Eu sempre travava.

Eu estava pensando em escrever outras coisas hoje mas, de repente me veio isto. 

Nunca gostei de mim, nunca achei que tivesse direito à felicidade. Sempre tive a autoestima no chão. Embora eu sempre fosse uma das melhores ou a melhor aluna da sala, sempre me considerava burra.
Luto todos os dias com uma voz interna a me chamar de burra, idiota, que não merece ser feliz, que tenho que sofrer.

Não quero que este post seja uma lamentação sem fim(não posso me colocar como vítima), estou escrevendo com o intuito de me analisar, que colocar para fora a dor que sinto. O grupo neuróticos anônimos e o budismo têm me ajudado abastante neste processo de descobrimento e de reconhecer esta dor. Como lidar com a dor. Escrever ajuda a coordenar o pensamento, a não ficar "correndo atrás do rabo". Enfim, sempre que possível colocarei em palavras os conflitos e as dores que me corroem e que me fazem sentir importente perante os problemas da vida. 

Me sinto à vontade em escrever porque sei que este blog é praticamente invisível. Nem irei fazer uma revisão do Português, vai da forma que está.

Outro dia volto.

Adieu.



31.12.17

Metas para 2018

Mais um ano se foi e outro virá.

Estava pensando em escrever várias promessas para 2018 mas acho que o melhor é definí-las como metas( me sinto mais compromissada em seguí-las).

Pode parecer besteira qual o nome usarei, e provavelmente é. A questão é que preciso deixar de mimimi e fazer coisas que mudarão meu padrão comportamental destrutivo(todos temos um lado de auto sabotagem).

Então, depois de tanto blablabla, eis as minhas metas para 2018:

  • Estudar inglês e espanhol;
  • Desenhar e pintar;
  • Fazer atividade física;
  • Meditar(prática espiritual como um todo);
  • cuidar de mim(pele, cabelo,... );
  • Ler, ler e ler;
  • Escrever;

 E voi-lá. Que se iniciem os jogos.

Ano que vem veremos o que ocorreu.

Feliz ano novo!!







16.8.17

Bom dia

são exatamente 3:19 da manhã e estou terminando de preparar um simulado que teria que ter feito para entregar ontem, mas como ontem foi meu primeiro dia de aula na escola não fui informada do prazo. Enfim...

Me sinto só, velha, horrível. Nada diferente de sempre. A única diferença é que realmente estou velha.

Preciso dormir para não alimentar esta depressão .

Boa noite.

10.8.17

Impermanência

Olá!
Depois de tanto tempo, estou de volta. Sim, voltei.
Sinto que preciso falar, desabafar, colocar para fora o que sinto e me deixa sufocada. Tantas coisas aconteceram. Tantas coisas mudaram. É a impermanência, que é muito falada no budismo e que é difícil para mim aceitar. Muito mesmo.
O transtorno de ansiedade me faz ter medo de mudanças. Embora eu querendo ou não elas aconteçam e em consequência destas mudanças fico revivendo o passado num "looping" contínuo. Não vivo o presente, lamento o passado e me angustiando com o futuro.
Acho que será muito bom colocar para fora por meio de palavras esta angústia que me sufoca.
Vamos ver.



Beijos.

Ed