18.7.11

Cor-luz e cor-pigmento

Olá a todos.
Quero, no meu primeiro post começar a falar sobre uma grande dificuldade entre as pessoas: Cor-luz e cor-pigmento.
Como assim? Cor não é cor?
Cor é cor mas como quase tudo na vida, temos que ver as coisas sobre diversos pontos de vista. 
Resumindo muito, pode-se dizer que cor-pigmento é usado por exemplo no meio artístico, explicando melhor, as tintas no qual o artista utiliza em seu trabalho, já a cor-luz é usado e estudo pelos físicos.
Você poderia pensar que o artista trabalha com a "luz" num contexto mais geral. sim, é graças à cor-luz que podemos ver os trabalhos dos artistas.  Esta "luz" (como exemplo, a luz solar) tem um significado descrito pelos físicos como sendo uma onda eletromagnética composta basicamente por 7 freqüencias de onda que, ao atingir as nossas retinas que são estimuladas e depois de um determinado processo - que em outro oportunidade explicarei melhor - o cérebro codifica as freqüências como cores.
Na foto acima, podemos ver várias freqüências de onda. Deste raios gama até ondas curtas. 

O olho humano é sensível à freqüência colorida destacada.

Nem todos os animais possuem o equipamento (sistema visual) capaz de identificar cores. Não deixo de destacar como esta capacidade é muito importante para nós, deste a época primata, já que  se não se poderia confundir frutos que poderiam ser venenosos.

O físico Isaac Newton ao girar um disco com as cores e o resultado foi branco, já que temos neste caso síntese aditiva. Ao se misturar cor-pigmento não se obtém o branco, mas sim uma cor mais para marrom, tendo-se a síntese subtrativa.

No próximo post explicarei um pouco mais de suas peculiaridades e como este recurso é trabalhado em geral, tanto na  arte, arquitetura, em geral, já que dois terços dos estímulos recebidos provém do sistema visual.

 Um abraço a todos.